sábado, 22 de maio de 2010

Tangerinas!

Gosto de abrir tangerinas ao meio e
passear os dedos na pele macia,
alaranjada, suculenta, à
espera da minha boca.

Gosto das coisas simples, do raiar
do dia no meu corpo, do virar
dos lençóis enquanto sonho,
do chocolate quente
invadindo-me
a garganta.

Gosto dos pés descalços sobre a madeira,
gosto da relva molhada pelo orvalho
das manhãs, e do cheiro que se
entranha na alma, quando
as ondas em mar aberto,
brincalhonas ousam
pousar na praia.

Gosto de pensar em tudo isto enquanto
degusto tangerinas, daquelas de gomos
atrevidos escorrendo pelo queixo,
espirrando segredos salpicados
no rosto.

Gosto de Tangerinas!

10 comentários:

  1. Gosto da tua palavra, do teu gosto, do teu contar. Gosto da tua presença, da tua voz, do teu olhar. Gosto da tua tangerina. Doce, ácida, completa.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Gosto do cheiro, do toque e do doce
    gosto que têm....
    Porque será que já me é familiar???
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Gostei tanto da poesia e da imagem que vou sair na chuva para compra-las. Beijo

    ResponderExcluir
  4. E um mundo de fantasias q pululam a alma desabrocham numa simples tangerina.
    Delicia de viagem.

    É isso aí.
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  5. Adorei. Principalmente do fato de parecer-me um poema concreto!

    Keep writing!

    ResponderExcluir
  6. Passei por aqui.
    Bjs e bom fds.

    ResponderExcluir
  7. Quero esta tangerina.
    Mais que querer: preciso.

    ResponderExcluir
  8. hummm ...tbm adoro tangerina !volte sempre ok estarei por aqui!!!bjinhos meus marcinha

    ResponderExcluir
  9. Absolutamente, uma poesia saborosa...
    Gostei demias do teu espaço...
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  10. Quanta vida em gomos de tangerina, amei!!!

    Vou seguir vc... rs

    Convido-te a conhecer meu espaço também e deixar suas pegadas nas minhas areias (Pés na Areia) - http://leomsp.blogspot.com/

    Abraço!!!

    ResponderExcluir

Por quê deveria um homem cujo sangue
é quente por dentro, posar como seu
avô talhado no alabastro?

Willian Shakespeare